indicadores de risco

Como os indicadores chave de riscos podem alavancar a gestão de riscos na sua empresa?

Na família das normas ISO, a ISO 31000 trata da gestão de riscos. De acordo com ela, um risco é definido como o “efeito da incerteza nos objetivos”. Por meio de um framework reconhecido globalmente, a ISO 31000: 2009 define princípios e orientações genéricas sobre o gerenciamento dessas incertezas.

Falamos sobre incertezas porque um risco pode ser tanto uma ameaça quanto uma oportunidade. Por consequência, tudo vai depender de como a organização reage: se ela está atenta para maximizar os pontos positivos ou minimizar os aspectos negativos. A fim de gerenciar todos os tipos de riscos de maneira proativa, existem os indicadores chave de riscos.

O que são indicadores chave de riscos e qual sua importância?

Conhecidos pela sigla KRI (proveniente do inglês Key Risk Indicators), os indicadores chave de riscos referem-se às métricas usadas por uma empresa para que monitorem o grau de exposição a uma ameaça ou oportunidade. Como sabemos, todas as empresas precisam assumir certos riscos para crescerem ou até mesmo continuarem no mercado.

Basicamente, a regra é: se de um lado toda organização precisa correr riscos para criar valor, por outro, é importante que ela gerencie esses riscos para proteger o valor. E essa é a principal relevância dos indicadores chave. Mas as vantagens não param aí.

Em várias oportunidades citamos em nosso blog o quão atentas as empresas precisam estar com a governança corporativa, pois ela fornece o suporte para que gestores e diretores entreguem a estratégia planejada, atraiam investimentos, gerenciem custos, tomem decisões assertivas e respondam aos riscos.

Com uma pressão crescente de órgãos reguladores, as organizações de um modo geral também se sentem pressionadas para articularem os riscos, a fim de gerenciá-los conforme o apetite ao risco. E é justamente com a análise de indicadores que essas mesmas incertezas podem ser gerenciadas.

O assunto também cresce em importância em momentos de crise, uma vez que muitas empresas acabam indo à falência porque não ajustam os riscos à estratégia corporativa, ou porque o próprio board ignora os riscos que a empresa corre. Com a definição e o monitoramento constante dos KRIs, o cenário pode ser revertido.

Dica Glic: Como o board pode ajudar na preparação da crise?

Outras vantagens dos KRIs

Além disso, os indicadores chave de riscos beneficiam a organização nos pontos a seguir:

  • Melhoram a articulação do apetite ao risco e os níveis de tolerância;
  • Melhoram a identificação de riscos e oportunidades;
  • Melhoram o tratamento de risco, definindo limites para certas ações;
  • Possibilitam criação de relatório de risco aprimorado;
  • Melhoram o desempenho da empresa;
  • Tornam processos aprimorados; e
  • Contribuem para um melhor ambiente de trabalho.

Como definir os indicadores chave de riscos?

Idealmente, indicadores chave de riscos eficazes possuem várias características, como:

  • Relevância: KRIs devem ajudar a identificar, quantificar, monitorar e gerenciar riscos associados aos principais objetivos do negócio, ou seja, à estratégia organizacional.
  • Mensurável: como todo indicador, o de riscos precisa ser quantificável (que pode ser traduzido em um número, porcentagem etc.).
  • Preditivo: é capaz de prever problemas futuros sobre os quais a administração pode agir preventivamente.
  • Fácil de monitorar: simples de coletar, analisar e relatar.
  • Auditável: fácil de verificar como as informações foram obtidas.
  • Comparável: os indicadores chave de riscos devem também possibilitar a comparação tanto no âmbito interno quanto com os padrões da indústria.

De modo geral, KRIs podem ser qualquer métrica utilizada para identificar uma exposição ao risco ao longo do tempo. Na hora de defini-los para sua empresa, é importante entender que para cada risco mapeado pode existir um indicador chave que o monitorará (por exemplo: indicador para monitorar o risco de diminuição de produtividade, de perda de receita, entre outros).

Vale ressaltar que a fim de definir os principais indicadores chave de riscos é fundamental que as metas da organização sejam compreendidas. Muitas estratégias de gestão de riscos falham porque não existe um alinhamento com as metas organizacionais.

Portanto, tenha em mente que cada KRI deve ser capaz de ser medido e refletir com precisão o impacto negativo ou positivo que teria nos indicadores chave de desempenho (KPIs) da organização. Aliás, falando em KPIs, é normal haver confusão entre indicadores de desempenho e indicadores de risco. Para evitar que isso aconteça com você, esclarecemos a seguir.

Diferenças entre KRI e KPI

Quando tratamos de indicadores chave de desempenho falamos de métricas que ajudam uma organização a avaliar o progresso em direção às metas declaradas. Já os KRIs são como se fossem métricas de rastreamento, pois ajudam a entender como está o perfil de risco da empresa e qual o impacto de que uma ameaça ou oportunidade modifique o objetivo organizacional.

Perceba que tanto indicadores chave de risco quanto de desempenho trabalham com os objetivos da organização. Por isso, é imprescindível que cada KRI reflita como cada KPI pode ser impactado. Para entender bem a diferença entre os indicadores, grave que:

  • KPIs medem o desempenho das ações tomadas para obter determinados resultados.
  • Os KRIs olham para trás, pois relatam os resultados das atividades. Ou seja, informam. Podemos dizer ainda que os indicadores chave de riscos medem o efeito das atividades.
  • Os indicadores de risco ajudam a quantificar os riscos. Em contrapartida, os KPIs ajudam a medir o desempenho do negócio.
  • KRIs são métricas avaliadas pelo board, já quem fica de olho nos KPIs são, na grande maioria das vezes, o CEO e a equipe de gestão sênior.

Note ainda que existe uma relação entre risco e desempenho, e para ilustrar, imagine que uma empresa decida criar um KPI para monitorar o crescimento de sua participação no mercado. Como o objetivo dessa empresa é o de expandir a participação, o que pode evitar que isso aconteça?

Rapidamente podemos imaginar o surgimento de novos concorrentes ou perda de clientes. Assim, essa empresa pode ter um KRI para monitorar os riscos de perda de participação no mercado relacionados à diminuição da carteira de clientes e ao aumento da concorrência.

Mais sobre gestão de riscos

Agora que você entendeu a importância dos indicadores chave de riscos, que tal se aprofundar um pouco mais sobre a gestão de riscos propriamente dita? Caso seja de seu interesse, disponibilizamos um e-book completo sobre o tema. Para acessá-lo, clique no link a seguir:

E se precisar de uma consultoria, veja como a Glic Fás pode ajudar sua empresa.

 

Gostou deste artigo? Fique à vontade para compartilhá-lo. Para mais conteúdo como este, e para ficar por dentro de boas práticas da gestão de negócios, visite o Glicando, o blog da Glic Fàs.

Créditos imagem principal: Unsplash por UX Indonesia.

Créditos imagem texto: Unsplash por Adeolu Eletu.

Contate-nos

Patricia C. Cucchiarato Sibinelli
  • Diretora Executiva
  • Mentoria em gestão de negócios.
  • Tel: (11) 9 9911 0274
Silvio Luiz Zen
  • Diretor Executivo
  • Mentoria em Gestão de Negócios.
  • Tel: (11) 9 9999 6564