Conheça algumas boas práticas em riscos de projetos

Risco é um evento ou ocorrência que pode impactar positiva ou negativamente uma organização, uma área, uma atividade ou um projeto. Quando uma empresa desenvolve estratégias efetivas de gerenciamento de riscos ela mostra-se apta a identificar os pontos fortes e fracos, as oportunidades e as ameaças.

Ao falarmos especificamente de projetos, sabemos que gerentes de projetos bem-sucedidos reconhecem que o gerenciamento de riscos é importante. Um dos motivos é que eles entendem que ao planejar eventos inesperados, ou seja, os riscos do projeto, a equipe mostra-se pronta para responder às ameaças e oportunidades quando elas surgirem. Como consequência, as chances de o projeto trazer os resultados desejados, no escopo definido, são muito maiores.

No artigo de hoje, decidimos entrar um pouco mais nesse universo da gestão de riscos de projetos. Começamos respondendo à pergunta:

O que são riscos de projetos?

Um risco de projeto é uma incerteza (positiva ou negativa) que, se ocorrer, afetará pelo menos um objetivo do projeto. Por diversas vezes já falamos em outros posts do blog que os riscos corporativos estão em todas as organizações. Do mesmo modo, não há projetos sem risco, pois existe uma série de fatores que podem ser determinantes no resultado bem-sucedido, ou não, de um projeto.

A gestão de riscos se concentra na identificação e avaliação dos riscos do projeto e no gerenciamento desses riscos para minimizar o impacto dos mesmos. Ressaltamos que não se trata de eliminar riscos, mas sim de identificá-los, avaliá-los e gerenciá-los. Os riscos de projetos incluem incertezas internas e externas, sendo que:

  • Riscos internos estão relacionados à conclusão bem-sucedida de cada etapa do projeto,
  • Enquanto que os externos são aqueles que fogem do controle da organização mas afetam o valor final do projeto.

A gravidade do risco varia de empresa para empresa e de projeto para projeto, já que depende da probabilidade de ocorrência e das possíveis consequências.

Quais são os riscos de projetos?

Cada projeto é único. Os riscos, ou a tolerância da organização a eles, diferem de acordo com o projeto ou até mesmo dentro do mesmo projeto ao longo do tempo. Apesar disso, é possível identificar tipos de riscos comumente encontrados em projetos:

  • Riscos de custo: ocorrem quando os custos e o escopo do projeto não são definidos com precisão.
  • Riscos técnicos: esse risco inclui atrasos decorrentes de defeitos de software e hardware ou a falha de um serviço subjacente ou de uma plataforma.
  • Riscos de desempenho: o risco de os resultados não serem consistentes com as especificações do projeto.
  • Riscos de execução: risco de que as atividades demorem mais que o esperado. Desvios no cronograma normalmente aumentam os custos e atrasam o recebimento dos benefícios do projeto.
  • Riscos estratégicos: são os erros na estratégia, como a escolha de uma tecnologia errada, que não funciona ou que não traz resultados.
  • Riscos operacionais: riscos de implementação deficiente.
  • Riscos de mercado: riscos de concorrência, câmbio, mercado de commodities, taxa de juros, de liquidez e crédito.
  • Riscos legais: surgem de obrigações legais e regulamentares, incluindo riscos contratuais e litígios movidos contra a organização.
  • Riscos externos: incertezas inerentes ao ambiente externo do projeto e que o afeta, como postura do cliente, mercado, disponibilidade de fornecedores, entre outras.
  • Riscos organizacionais: incertezas causadas pela estrutura e cultura organizacional da empresa, como disponibilidade de recursos (humanos ou financeiros) e infraestrutura disponível.

Na grande maioria dos casos, gerentes de projetos já sabem quais riscos são mais comuns e frequentes. Se isso é fato, por que então as empresas não alteram seus processos internos para que planos mitigatórios sejam executados de forma corrente?

Uma explicação para isso está na má gestão dos riscos. Portanto, com um correto gerenciamento desses riscos, os mesmos podem ser mitigados e até mesmo evitados. Confira a seguir.

Boas práticas no gerenciamento de riscos de projetos

A análise de risco deve ocorrer já quando o escopo e os requisitos do projeto são conhecidos. Além disso, é indicado uma revisão periódica da avaliação de riscos durante o andamento do projeto, a fim de garantir que todos os membros da equipe:

  • Estejam cientes dos riscos,
  • Saibam quais ações devem ser tomadas,
  • Estejam aptos a identificar novos riscos que precisam ser tratados.

Adicionalmente ao que foi citado anote algumas dicas de melhores práticas na gestão de riscos de projetos:

  • Adote os 7 passos da gestão de riscos: o gerenciamento de riscos segue um processo contínuo. Para aplicá-lo na gestão de projetos o indicado é que, após ter definido o escopo e os requisitos, as seguintes etapas sejam seguidas: Planejamento da Gestão de Riscos, Identificação do risco (conheça sobre o mapeamento de riscos), Análise qualitativa de riscos, Análise quantitativa de riscos, Planejamento de respostas aos riscos, Implementação dos planos de respostas aos riscos e Monitoramento do risco. Para informações mais detalhadas, acesse este post.
  • Aplique o plano de gerenciamento de riscos: o plano tem como objetivo informar quais serão as medidas adotadas pela empresa para lidar com as possíveis ameaças ou oportunidades no projeto. Explicando um pouco melhor, o plano define como a gestão de riscos será executada, monitorada e controlada, desde o planejamento até o monitoramento. Saiba mais sobre o plano de gerenciamento de riscos.

  • Envolva a equipe: o gestor de projetos não deve ser o único a estar envolvido no gerenciamento de riscos. Para um projeto de sucesso, garanta o envolvimento de todos e dê a liberdade para que os membros identifiquem riscos também durante o andamento do projeto.

  • Monitore e reavalie sempre: reavalie sempre os riscos de projetos identificados, especialmente a frequência e o impacto. Muitas vezes, o que era um problema ontem pode não ser hoje, e sua equipe pode gastar um tempo procurando formas de gerenciar um risco que não ocorrerá (ou que não terá importância para o resultado final).

Para encerrar nossas dicas de boas práticas, indicamos a leitura de dois artigos que poderão ajudar você a identificar, tratar e monitorar os riscos de projetos:

Concluindo

Quando a empresa não possui estratégias de gerenciamento de riscos, seus projetos são expostos a problemas e se tornam vulneráveis. Estratégias eficazes de gestão de riscos de projetos fazem com que a organização maximize os lucros e minimize as despesas com atividades que não geram retorno do investimento.

Ao identificar os potenciais riscos você garante que a equipe de projetos possa responder de forma eficaz quando os desafios surgirem e exigirem intervenção. Nesse artigo mostramos algumas boas práticas na gestão de riscos de projetos e esperamos que este post tenha sido útil a você.

Se você tiver alguma outra melhor prática a acrescentar, fique à vontade para contribuir deixando um comentário. Aproveite que está aqui e acesse o Glicando, o blog da Glic Fàs, e fique por dentro de nossos materiais.

Créditos imagem: Unsplash por rawpixel

0 respostas

Deixe uma resposta

Quer entrar na discussão?
Sinta-se livre para contribuir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Contate-nos

Patricia C. Cucchiarato Sibinelli
  • Diretora Executiva
  • Mentoria em gestão de negócios.
  • Tel: (11) 9 9911 0274
Silvio Luiz Zen
  • Diretor Executivo
  • Mentoria em Gestão de Negócios.
  • Tel: (11) 9 9999 6564